sábado, 1 de outubro de 2011

Introspecção

Sinto fluir o sangue por entre as minhas veias,
O sangue incansável da minha evolução,
Esse mundo às vezes me cansa,
Acelera as batidas do meu coração,
Conto ate dez, e sinto a respiração,
Eu crio a minha própria paz satisfatória,
Me lanço no abismo que há dentro de mim,