sábado, 1 de outubro de 2011

Introspecção

Sinto fluir o sangue por entre as minhas veias,
O sangue incansável da minha evolução,
Esse mundo às vezes me cansa,
Acelera as batidas do meu coração,
Conto ate dez, e sinto a respiração,
Eu crio a minha própria paz satisfatória,
Me lanço no abismo que há dentro de mim,

sábado, 17 de setembro de 2011

Inconsciente


Hoje a noite esta gelada,
E eu aqui na calçada,
Ouvindo a canção do vento,
E o som do silêncio,

O vento do outono, sopra frio,
As batidas do seu coração,
Me deixa surda,
Não posso ouvir,
O clamor da minha consciência,
A minha vida depende de você,

Não vejo a minha cadeira elétrica,
A noite esta gelada,
E eu, ainda estou aqui,
Na calçada...
Inconsciente, surdo.

sábado, 9 de julho de 2011

Canção da Verdadeira Pátria



Minha terra tem bambus,
Onde pia os urubus,
Na política e nos morros,
Alimentam-se os corvos,

Nossa lua é um lindo sol,
Nosso jogo é o futebol,
Nossas vidas tem mais fome,
Nossos sonhos nos consomem,

No ponto a espera do ônibus,
Da ferida escorre o pus,
Minha terra tem bambus,
Onde pia os urubus.

Minha terra tem ladrões,
Que rezo para nunca me encontrar,
No ponto a espera do ônibus,
Da ferida escorre o pus,
Minha terra tem bambus,
Onde pia os urubus.

Quando cai a linda noite,
O perigo pode aumentar,
É quando eu tranco minha porta,
E me ponho a Deus orar,
Ouvindo o rangir dos bambus,
Onde pia os urubus.

quarta-feira, 6 de julho de 2011

Não posso te esquecer

 Busco no deu suspiro
O ar que respiro
E a brisa a me acalmar
Quando estou a soluçar
Ainda sinto o seu cheiro
No meu trevesseiro companheiro
E aí, trago o calor do seu amor
Só para mim
Venha do seu jeito
Aliviar a dor do meu peito
E aquecer o frio do meu coração
O tempo esta passando
E eu, ainda estou te amando
Não posso te esquecer
Não posso te esquecer

Morador da Baixada

Somos leões do bem
Comemos carne também
Do mais fraco e vencível
Quando isso é possível

Meu sonho é uma fachada
Para eu viver mais um pouco
Morador da pobre baixada
Se me apego fico louco

O sistema não é uma flor
O sistema não é um amor
O sistema é um grande dilema
O sistema é o terrível problema

A flor está na beleza
O amor está na gratidão
A beleza está na natureza
A gratidão está no coração

quinta-feira, 23 de junho de 2011

Quando Posso Não Faço

Quando posso voar
Não tenho asas
Quando posso correr
Não tenho porque
Quando posso falar
Sou tímido
Quando posso ficar
Não vim
Quando posso passar
Dou a volta
Quando posso comer
Não tenho fome
Quando posso escrever
Não tenho palavras
Quando posso olhar
Não tenho câmera
Quando posso cantar
Não tenho canção
Quando posso agradecer
Não há de que
Quando posso pagar
Não tenho dívida
Quando posso sair
Não tenho onde ir
Quando posso reclamar
Não tenho justiça
Quando posso morrer
Não quero

quinta-feira, 2 de junho de 2011

Um Pedaço de Você

Sou aquele seu amor, que o vento levou,
Sou a saudade que ficou em seu coração,
Sou aquele seu forte abraço,
Aquele seu compasso, no vai e vem do amor,

Sou aquele seu líquido quente,
Que aquece como o sol,
Aquele amor que enlouquece,
Quando o seu corpo padece,

Sou aquela mordida que dói,
Quando a paixão lhe corrói,
Sou o recado que não foi dado,
Aquele amor do passado,
Que ficou em seu coração,
Carente de outra paixão,
Sou o que você pode ver,
Sou um pedacinho de você.

segunda-feira, 30 de maio de 2011

O Primeiro Passo

Para aprender a caminhar na vida,
O primeiro passo,
Para subir uma escada comprida,
O primeiro passo,
Para sair da cama macia,
O primeiro passo,
Para visitar a casa da tia,
O primeiro passo,
Para curtir as baladas da noite,
O primeiro passo,
Para voltar antes da meia-noite,
O primeiro passo,
Para atravessar uma estrada,
O primeiro passo,
Para arrumar uma namorada,
O primeiro passo,
Para cantar uma linda canção,
Voz afinada
Para fazer uma boa oração,
Joelhos no chão.

quarta-feira, 25 de maio de 2011

Amor Platônico

Eu esbarro no corrimão,
Eu perdi mais uma condução,
Eu percebo as pessoas na janela,
Todos estão tão preocupados,
Com seus tempos apressados,
Eu vou a lugares que não gosto,
Sem saber, sem planejar,
Eu não consigo prestar atenção,
Não vivo um minuto de atenção,
Assim eu saio no meio da aula,
Me sento no banco da praça,
E não vejo a noite chegar.
Atravesso a passarela.

Mas eu nem sei o nome dela.

domingo, 22 de maio de 2011

Nunca olhe para tráz

Abra bem os olhos e corra para frente,
Como dizem os homens de grandes mentes,
Nunca olhe para tráz,
Isso pode te mostrar coisas de mais,
Olhar para tráz, pode te roubar a atenção,
Verá fracassos que te jogarão no chão,
Verá impérios e fortalezas,
Criados com o sangue de muita tristeza,
Olhar para traz pode te trazer saudades,
De grandes amores e boas amizades,
Olhe para frente e siga o seu caminho,
Lembre-se, a estrada é longa,
E você esta caminhando sozinho.

quinta-feira, 19 de maio de 2011

A Gravidade da Lua

Se te beijo com desejo, não tem mais jeito,
Adormeço, entregue aos teus defeitos,
O sono em seus abraços macios.
Seca as águas dos meus rios,
Já não sou mais o mesmo homem,
Em seus braços minha dor me consome,
A gravidade da lua,
Não se compara com a sua,
Você me traga como um animal faminto,
Me devora, me fazendo extinto,
Não há mais para onde correr,
Se todas as fronteiras eu romper,
Será que assim eu posso, te vencer?
Me defender, sem força, sem palavra,
Um menino, um girino, uma larva.
Que já não mais tem colhido flores,
Para os meus mais próximos amores.
Laçado em seus braços complicados,
Morando nas estações dos seus pecados.

segunda-feira, 16 de maio de 2011

Caminhando para esquecer você

Fecho os olhos um pouco,
E vejo mais do seu rosto,
Que face linda bem-vinda,
Posso tocar e te revisar,
Gritar bem alto-falante,
Cantar no alto distante,
Seu nome é um verso lindo,
Ate os anjos do céu caindo,
Sabem do que estou fugindo,
E eu já não quero mais saber,
Por que eu tento tanto te esquecer?
Se amanhã já será o mês de agosto,
E já terei esquecido o seu rosto,
Mais depois, no mês de setembro,
Direi, desse amor eu não lembro,
E assim essa historia terminou,
Então eu fecho o livro do amor.

domingo, 15 de maio de 2011

Comunique-se


Devemos nos comunicar mais, deixar de lado essa nossa ignorante timidez, que nos trava, nos impedindo de avançar um pouco mais em nossas vidas. É nos comunicando que aparecemos, que conquistamos, que somos admirados, é nos comunicando que fazemos parte, que fazemos amizades, sim, as nossas amizades foram conquistadas, porque fomos capazes de por um instante deixamos de lado essa inerte timidez, que só nos atrapalha. Somos todos seres humanos imperfeitos, nenhum melhor do que o outro, humildes filhos de Deus! O silêncio é a ausência de palavras que deveriam ser ditas. Por tanto fale, escreva, divulgue, poste, comente!

terça-feira, 10 de maio de 2011

História mal contada

 Um leão,
incompreendido e bom,
Uma leoa,
Que pensa que voa,
Uma curta estrada,
Que não leva a nada,
O fim de uma feira,
Não é sexta-feira,
O laço que enforca,
O pescoço da torta,
O lápis quebrado,
No chão foi jogado,
A mulher verdadeira,
Desceu a ladeira,
O homem irritado,
Ficou só e calado,
Duas vidas separadas por nada,
Uma história dessa mal contada.

Sem Primavera

Que hora que não passa,
Que dia tão lento,
É tanta demora,
Que as vezes não aguento,
O tempo que se atrasou,
De lento o tempo ate parou,
Nem sopra o vendo,
Não cresce as flores,
Nos jardins dos amores,
Cadê as andorinhas,
Que voavam no telhado?
E a menina bonitinha,
Cadê o seu namorado?
Cadê as cores da vida?
Que passava sempre colorida,
Tambem pudera,
Não é mais primavera.

segunda-feira, 9 de maio de 2011

Seu

 O meu amor agora é todo seu,
Esqueça os dias que voce sofreu,
Passe essa dolorosa pagina,
Mude a história da sina,
Olhe-me com desejo e imagina,
O mundo não diz o que perdemos,
Ele nos mostra o que podemos,
E criamos as nossas garras,
Nos preparando para loucas farras,
Nossos corpos marcados pelo tempo,
Feridas, paixões e isolamentos,
Lance sobre mim o seu maior defeito,
E eu direi diante dele, que eu te aceito,
Antes de dizer essas palavras de alma fria,
Virei as noites estudando a sua biografia,
Esperando o beijo que voce pode me dar,
Digo-lhe que estou preparado pra te amar.

quinta-feira, 5 de maio de 2011

Prefiro que Chova

Sabe! Quando chove, uma dessas chuvas que escorre suave seus pingos pela janela do quarto, imagino-me voando, por sobre as pesadas nuvens, onde nem uma gota me atinja, levo-me para longe, bem longe e mais alto. Mas a saudade logo me traz de volta, quando a chuva passa, que revolta, que desgraça. Porque será que a chuva sempre passa? Porque ela não fica e me deixa voar? Voar e sonhar! A solidão é mais legal, estando sobre as nuvens, voando bem alto, muito acima do planalto. Quando não chove me destrói, é mais difícil e o peito até dói. A cama não parece ter mais fim, lençol estampado com flores de jardim. Como ser capaz de sorrir alegre, nesse amargo dia que se segue? Se a solidão, essa vilã, já me enlouquece pela manhã! Prefiro que chova, nessa fria alcova.

quinta-feira, 28 de abril de 2011

Eu te amo, e o meu amor é puro!


Eu te amo, e o meu amor é puro!
Te amo y mi amor es puro!
Io ti amo e il mio amore è puro!
Je t'aime et mon amour est pur!
Te amo et amabo pura!
I love you and my love is pure!
Ich liebe dich und meine Liebe ist rein!
Я люблю тебя, моя любовь чиста!
Σ 'αγαπώ και η αγάπη μου είναι καθαρή!
Rakastan sinua ja rakkauteni on puhdas!
Ek is lief vir jou en my liefde is pure!
我愛你,我的愛是純潔!
私はあなたを愛して私の愛は純粋です!
내가 당신을 사랑하고 내 사랑은 순수한 아이다!
Ես սիրում եմ քեզ եւ իմ սերը քո մաքուր!
أحبك وحبي هو محض!
Ja vas ljubim i moja ljubav je čista!
من شما را دوست دارم و عشق من خالص است!
Szeretlek, és szeretetem tiszta!
Jeg elsker deg og min kjærlighet er ren!
Kocham Cię i moja miłość jest czysty!
Te iubesc şi iubirea mea e pura!
Волим те и моја љубав је чиста!
ผมรักคุณและความรักของฉันบริสุทธิ์!
Miluji tě a moje láska je čistá!
Seni seviyorum ve sevgimi saf!
Tôi yêu bạn và tình yêu của tôi là tinh khiết!
איך ליבע איר און מיין ליבע איז ריין!
मैं तुमसे प्यार करता हूँ और मेरा प्यार पवित्र है!

quarta-feira, 27 de abril de 2011

Lembranças

                                 Abundam em mim, pedaços amargos de voce,
Verdadeiros lixos tóxicos comprimidos,
Se acumularam por anos dentro de mim,
Me poluindo os nervos e condenando os meus sonhos protervos,
A serem eternos pesadelos medonhos,
Fragmento-me de pouco a pouco,
Caminho pelos campos verdejantes,
Alimentando os orvalhos com minhas lágrimas fulgurantes,
A procura da cura que me trará o recomeço,
O berço, de um novo amor iluminado,
Banhado nas águas de um outro mundo,
Menos arrogante e vezes mais vagabundo,
Quero despir-me dessas tristes lembranças,
E esculpir de mim, um homem com mais prazer e segurança.

domingo, 24 de abril de 2011

Minha Droga Lícita


Voce ainda esta afim de mim?
Ainda quer me ver sofrer?
A minha droga favorita é voce!
E esta noite eu quero estar bem preparado!
Para cortar a minha carne e me ver sangrar ao teu lado,
Já que voce gosta assim, eu tambem quero,
E tambem quero mais te enfeitar e gozar,
Ainda que podre não é mais só a minha mente,
Eu estou vendo na sua estrada um mar,
E um abismo tão profundo, onde eu quero me jogar,
E delirar em teus sonhos e só te amar,
Mesmo que meu corpo apodreça no teu mar,
Sou viciado em sua saliva envenenada,
Minha droga lícita é minha mulher amada.

A Rosa

Ainda botão, não conhecia o azul do céu,
Lutando por um espaço entre as folhas,
Atrevidas folhas, que lhes roubavam o sol,
Tão necessário quanto o sol, era a chuva,
Os refrescantes banhos de chuva ao luar,
Numa bela manhã, o brilho do sol se deu,
E com o desejo de desabrochar, se esvaindo 
pelas suas pétalas vermelhas aveludadas,
Fez-se a flor mais bela de todo o jardim,
A mais perfumada dentre as flores,
A mais oferecida entre os amores,
A rosa imperatriz, por todos admirada,
A rosa vermelha, por muitos fotografada.

Espinhos do Passado

Enquanto de meus poros minavam líquidos inflamáveis,
sua pele ardia como fogo em vermelhas brasas impecáveis.
Em seu corpo dourado, conheci meu pecado,
Me deixei desdobrado para voce me conhecer,
Não havia segredos, ate o dia amanhecer,

Eu era o seu escravo no campo de batalha,
Te protegia com as minhas luvas de veludo,
E seu amor me cortava como uma navalha,
E na dor, havia o amor mais que profundo,

Me entreguei na loucura e fui longe na paixão,
Acho que fui alto de mais, pois perdi o chão.

Seus espinhos manchados com o meu sangue,
Me proporcionaram imensa dor,
E seu coração covarde e fechado,
Nunca mais terá do meu verdadeiro amor.

Estrela Mia


Se um dia for embora de minha vida,
Transformarei-me em um solitário desolado,
Mas que nunca, nunca morrerá,
Alimentarei-me do desejo de um dia te reencontrar.

E quando os meus insistentes olhos a sua imagem revisar,
Um oceano de felicidade em meu coração irá desaguar.
E essa explosiva felicidade que tão grande será,
Irá mostrar-te, o quanto é bom ter alguém para amar.

Sem Seu Som

As vezes parece que o sol, o céu e o sul, são sempre assim,
Sem seu som, sem seu suor. E logo você sai,
E vai, parece que não vai voltar nunca mais, 
E quando num relâmpago desses,
Eu percebo que estou sim, só. Será? 
E me vem a maldosa dor sem dó, 
Pra dizer-me que sempre será então assim. 
Eu ate ouso, mas não sou desses, 
E deixo bem claro o que eu quero, 
Pois eu quero, não aceito baladas sem beijos, 
Nem palavras sem desejos.
Mais ainda assim mesmo, eu deixo-te ir, partir.
Porque ao contrario do que se pensa, a solidão esta
Mesmo é dentro da alma de quem parte, e sempre parte!

O Anjo da Arte

Um anjo parte, quando de suas delicadas mãos,
Não se ver mais aquela doce e delicada arte,

Mas esse anjo elementar e esperançoso,
Sobrevive em plumas nas brisas das nuvens,

E o redemoinho que lhe trás de bom gosto,
A inspiração finita que lhe banha o rosto,

Logo aparece e sem demais prece, rege,
A orquestra sublime da tão esperada paz,

E assim, a lucidez se faz presente em sua mente,
É quando em um arco íris, retorna o anjo seu,

Para alimentar a incrível e forte coragem,
E em suas mãos a massa se faz uma imagem,

Deuses e guerreiros que surgem da argila,
Ou celebridades que esperam na fila.

Amigos, o que são?

Amigos são células, com núcleos importantes,
são partes que nos completam na vida, partes vitais e naturais que nascemos esperando ter.
Amigos são acostamentos que tranquilizam nossas estradas, nossas viagens reais.
Amigos aparecem na noite, no dia, na estrada,
amigos aparecem quase sempre do nada.
Para nos fazer sorrir, gargalhada.
Para nos fazer chorar, ou nada.
E tambem desaparecem, como nuvens no céu,
a simples mania de aquecer do dia.
Alguns esquecidos, renascem das cinzas, como a fênix.
Outros desaparecem para nunca mais serem vistos.
Amigos são anotados, em nossas agendas telefônicas, lembrados em nossas curtas horas.
Amigos são parentes próximos, e que venham os próximos amigos, parentes queridos.

Do Passado

Esse é o meu show! Ou não? Na duvida eu prefiro sim, que seja, e de cereja.
Esse é o meu doce momento, de planar no vento.
Com a pele suave, como as penas de uma ave,
desliso minha memória em fagulhas de pensamentos.
As vezes chego em tempos que só não beijei por azar.
Só não acertei por não saber a resposta correta.
Daí prossigo sem mesmo corrigir o passado,
Sigo nas linhas do tempo de meus momentos,
Sem imaginar a volta eu deixo meu corpo parado,
Nas estradas interruptas, do inerte passado!

Tudo bem Baby

Eu só queria dar um passeio com voce,
E depois talvez, assistir alguns filmes da tv,
Mas voce que só aparece em meus sonhos baby,
talvez me diga o que sinto por voce,
já que sonho é só sonho, e voce...
É o meu dia, é tambem a minha noite baby,
Por favor, me alcance a garrafa,
Ou complete minha taça de vinho.
Ai sim... tudo bem baby.

Deixa a chuva cair pela jaqueta então,
Meus passos me levam de volta a solidão,
Já que voce é mesmo só um sonho baby,
É um sonho bom em que eu acredito,
Mas um dia voce pode acontecer,
Acontecer de pisarmos na chuva juntos,
Ai sim.. tudo bem baby.

FERIDO

O amor ama em mim,como ama em seu berço supremo,
como ama em sua gloriosa fonte eterna, que só jorra amor, 
como uma grande cascata de sonhos.
Voce teve em seu domínio a chave 
que da acesso aos controles dos meus sentimentos.
Não me informou em qual dos beijos seu,
a falsidade se fez presente e me feriu,
Voce não me deu pistas, nem caminhos, 
de alerta ao que me vinha de azar.
E mesmo assim, deixa pra lá.
Porque eu sei muito bem, que não há mais nada, 
que suporta vida ao seu lado,
Que não há mais cor nem brilho,
no seu sorriso enferrujado.
E eu não estou desconcertado,
Com óleo de máquina eu fico bem lubrificado 
e passo as noites amolando o meu punhão,
Esperando voce voltar calada,
com a sua suave e doce cara de pau.

AS FOLHAS DE OUTONO


Que caiam sobre mim, as folhas de outono,
que caiam sobre mim,
só sobre mim, as folhas,
que caiam sobre mim as folhas de outono,
que caiam sobre mim,
só sobre mim, as folhas,
as folhas de outono,
que caiam no outono sobre mim
só no outono, as folhas
que caiam, as folhas,
as folhas que caiam no outono
que caiam só sobre mim,
que caiam sobre mim, as folhas de outono,
que caiam sobre mim,
só sobre mim.